top of page

Pecuaristas devem manter vermifugação em maio, agosto e novembro.

Atualizado: há 4 dias


Calendário de manejo coincide com as etapas de imunização contra a febre aftosa, já desobrigada em MS.


Neste ano, Mato Grosso do Sul e vários estados brasileiros foram considerados livres da febre aftosa sem vacinação, aproximando o país da meta de estar inteiramente livre de aftosa até 2026. Tradicionalmente, as propriedades rurais aproveitavam o calendário de vacinação da febre aftosa, maio e novembro, para fazer a vermifugação do rebanho, acrescentando o mês de agosto, para cumprir, assim, o Protocolo 5-8-11, criado pela Zoetis em 2015 em parceria com a UFMS (Universidade Federal de MS).


Espera-se que, mesmo sem a obrigatoriedade da vacinação contra a febre aftosa, os produtores mantenham o protocolo de controle de verminoses pois os prejuízos causados pelos parasitas continuam sendo impactantes para a pecuária. Estimativas já conhecidas dão conta de que eles podem causar prejuízos anuais da ordem de 7 bilhões de dólares.


Segundo a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), as perdas por verminoses podem ser de 20% a 30% na produção de leite e de carne. “Elas provocam retardo no desenvolvimento e ganho de peso porque os animais comem menos e o alimento ingerido não cumpre a sua função de nutrir, uma vez que os vermes competem por esses nutrientes no organismo”, explica o médico-veterinário Elio Moro, gerente de serviços técnicos na área de ruminantes. Os parasitas podem ainda causar lesões na parede do intestino, anemia, diarreia e, em alguns casos, dependendo das condições do animal, provocar a morte dos bovinos. - CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page